terça-feira, 19 de abril de 2011

O bom amigo à casa torna.

Eram 7:32 da noite, Calvin acabara de fazer os sashimis e bolinhos de arroz para servir as visitas, tomara um banho e agora escolhia as melhores peças a vestir, fez a barba e se aprontara para jantar em alguns instantes. A campainha não tardou a tocar e quando a atendeu ela estava lá em sua frente, os cabelos não mais longos na cintura, cortados na altura dos ombros, lisos e com a franja em cima da testa, um vestido estampado e leve contornava sua linda pele branca e macia, um sorriso no rosto e olhos carregados de maturidade em lugar de inocência.

- Clarice... que saudade! – disse Calvin abraçando-a, sentindo seu aperto e um sentimento de que tudo estava bem, era confortante reencontrá-la.

- Call, que falta sinto sua.

- Não aparenta, abandonou-me ao vento... – disse Calvin em tom brincalhão, era impressionante que todo o ressentimento que tinha com Clarice de repente desaparecera, era impossível ficar triste com ela por perto.

Os dois entraram, Calvin foi até a adega e escolheu por um Hermitage La Chapelle da safra de 1961, serviu-se e os dois começaram a conversar. Durante a conversa foi inevitável perceber que por tudo que houvera acontecido, a amizade entre os dois ainda era forte, talvez seja porque amigos são para sempre, e não importa o que aconteça, eles devem estar sempre ao lado, prontos para lhe estender a mão e lhe ajudar, isso é ser amigo.

Durante o meio tempo, Calvin entendeu que: as pessoas têm seu tempo, precisam de sua independência, tomar suas decisões amadurecer, e não se pode cobrar de alguém que ela esteja sempre ao seu lado, por muito, deixamos de lado alguns, talvez seja o momento, talvez seja necessário, mas uma certeza, isso é vida, ela precisa ser vivida e precisamos entender que cada um tem a sua, é egoísta querer controlar o outro. No entanto lembramos que o outro nos ama, mesmo que não na mesma intensidade com a qual o amamos, mas nos ama e amor é sempre bem vindo.

-...coisas do meu jeito sabe, sei lá, eu me sinto bem. Ver as coisas com clareza fazem eu me sentir mais segura.

Era muito gratificante ver o quando Clarice havia amadurecido durante todo esse tempo, incapaz de não sentir-se satisfeito. Um amigo é uma coisa preciosa demais na vida de qualquer pessoa, não deixe que pequenas coisas possam interferir em uma amizade, mesmo com todos os problemas, o perdão por algumas coisas é necessário, muitas vezes não há exatamente o que ser perdoado e sim o que ser compreendido, mas julgamos tudo apenas por um único e próprio ponto de vista. Se ponha mais no lugar do outro, tente viver e pensar mais como o outro, deseje, ao outro, coisas que deseja a ti mesmo, seja mais compreensivo e passional com os problemas, valorize mais as qualidades e momentos bons.

Conversa vai e conversa vem, a campainha tocou novamente, era Jude que logo entrou em casa, correu ao abraço de Clarice a qual fazia tempo que não via.

-Trouxe vários filmes pra assistirmos após o jantar... pelo visto já começaram o papo sem mim, ninguém lembra de mim, sempre me deixam pra trás, nunca me esperam... – E logo começou a falar, Clarice a ouvia com entusiasmo e Calvin logo teve em memória alguns momentos antigos. Discretamente foi bem próximo as duas e as abraçou de surpresa.

E você? Já disse “eu te amo” a quem você ama hoje?

2 comentários:

Mila Nunes disse...

HUMMMMMMMMMMMMMMMMMM RPZ .. reuniãoozinha e ninguéem me chamaaa kkkkkkkkkkkkkkk deixe estar que seu sabor de mel ta guardado ! hsuhsuasuahushu

Mas falando sério .. que bom que as coisas voltaram pro lugar :)

Rafaela Barbosa disse...

Mila nem disfarça que isso aconteceu contigo, ó. Diz até que está com ciumes porque não a convidou. SIOAHIOEHIOSAHOE Como assim? Ela nem conhece o Calvin. u_u

"as pessoas têm seu tempo, precisam de sua independência, tomar suas decisões amadurecer, e não se pode cobrar de alguém que ela esteja sempre ao seu lado, por muito, deixamos de lado alguns (...)"
É bem assim mesmo, mas muitas vezes é difícil compreender isso, as vezes, no meu caso, o egoísmo fala mais alto e aí já viu, né?!

Postar um comentário