sábado, 7 de maio de 2011

Bad Reputation.

Era um sábado a noite, como manda a regra, Calvin se aprontava para a noite, que pelo visto prometia ser maravilhosa. Tomou banho e logo se deparou com o dilema frente ao guarda roupa, perguntando-se o que vestiria, optou por fim a um jeans skinny, básico, um All Star branco, uma camisa também branca com desenhos de fones de ouvido caído envoltos ao pescoço e usou uma camisa de botão, azul-xadrex, como colete, borrifou um pouco de seu perfume, Kouros, e logo seguiu para o carro.

Chegando à boate, alguns amigos já aguardavam do lado de fora, reconheceu alguns rostos conhecidos e pessoas do ramo de entretenimento, alguns lhe chamaram bastante atenção e algo indicava que essa noite não seria apenas mais uma noite. A festa começou. Conversas, risadas e entre tudo inúmeros copos de roskas, dos mais variados tipos de frutas exóticas, a energia do local era contagiante, o papo agradável e os flertes eram fortes, por longas horas o estado de êxtase tomou conta dos presentes, junto com ele alguns excessos. Por volta de algumas horas a demasia de álcool acabou afetando alguns, inclusive Calvin.

Porque o problema? Isso é apenas diversão e talvez não haja nenhuma conseqüência; Talvez. A beberragem fora suficiente para que depois de algumas horas o publicitário iniciasse alguns vexames, as vestimentas rasgadas e os pés descalços deturpavam a imagem de executivo presente em seu porte, cenas de beijos quentes, fala alterada e por fim Calvin não tinha mais controle sobre si mesmo. Alguns amigos o levaram para fora da festa, a qual já se encontrava em presença de alguns fotógrafos, Calvin não tinha condições de dirigir, mas acabou fazendo-o, a poucas quadras do local, bateu o carro e logo estava prestando depoimento numa delegacia. A noite fora longe demais.

Diversão é ótimo, mas quando se possui controle sobre o que se faz, responsabilidade é algo que deve estar presente na vida de todos. Muitas vezes as pessoas se deixam levar por presença e influência de outros, exageram em brincadeira e utilizam de alguns artifícios para complementar sua diversão, mas sem controle: a diversão pode acabar se transformando em preocupação.

No domingo, a notícia estava em vários jornais, “Publicitário abusa de bebida e causa acidente.”, acredite, essa foi a mais comportada manchete, alguns mais sensacionalistas acusavam até mesmo o uso de substâncias ilícitas. Não era verdade, mas e daí? Eles não estão preocupados com isso, ou melhor, as pessoas não se preocupam com os meios, na maioria das vezes apenas o fim será analisado. E sim, elas utilizarão dos meios mais sórdidos, se for preciso manchar a imagem de alguém ela será manchada, todos querem ver a sua queda, pessoas não estão acostumadas a lidar com a felicidade do outro. Elas irão assistir sua queda, rir da sua queda, e depois fingirão que nada aconteceu, mas sempre estarão ali para jogar na sua cara mais uma vez. E não importa qual a reputação que você tivera antes, eles ligarão apenas para a que você tem agora, e um único e pequeno fungo será suficiente para estragar toda a fruta já colhida.

Na segunda-feira pela manhã Calvin seguiu para a agência, alguns repórteres estavam posicionados na entrada, entrou pelos fundos, em silêncio e seguiu para a sala de reuniões onde acionistas e diretores o estavam esperando, seu coração palpitava no elevador, ele sabia exatamente o que irão propor, não sabia se estava disposto a isso. Ao entrar na sala o semblante de todos era de seriedade, nenhum sorriso, nenhum comentário, completo silêncio. Calvin não os cumprimentou, caminhou até sua mesa e olhou para Ricardo, o mesmo desviou o olhar para baixo. Sentou-se em seu lugar e em sua frente encontrava-se sua carta de afastamento temporário. Foi um baque, a realidade foi dura e o acertou em cheio no peito, era sua empresa, a qual ele ergueu e tocou em cada tijolo ali colocado. Olhou novamente à Ricardo.

- Eu não vou me afastar! – Disse em claro e bom tom.

Os murmúrios irromperam pela sala.

- Você precisa Calvin, pelo bem da agência... – Ricardo demonstrava em sua fala o seu tom de lamento.

- Não. Eu sou dono disso aqui , não vou abandonar o que eu construir pelos outros, todos conhecem o quanto somos profissionais e o quanto somos competentes... você esteve comigo durante todo esse tempo, sabe quanto demos duro para construir o que somos hoje... – logo fora interrompido.

- Você conhece o entretenimento melhor que muitos de nós Calvin. Imagem é tudo, e a sua está manchada. – Julian, uma das acionistas, se proferiu em relação a posição de Calvin.

De fato, era verdade, uma imagem vale mais que mil palavras, não é a toa tal provérbio, tudo depende disso, as pessoas precisam disso para lhe respeitar, é para o seu externo que elas irão olhar e se algo estiver errado ou diferente, irão lhe julgar sem piedade, não se colocarão em seu lugar, ele não querem saber o que você passa e nem o que você sente, seu único interesse é a opinião própria, precisam de uma imagem pra admirar, pra alegrar, pra entristecer, pra pisar. Todos buscam isso, todos querem isso, querem a sua imagem, mas o que não restringe que eles apenas liguem para a própria, de jeito nenhum, o melhor entretenimento deles é ver a imagem do outro, a vida alheia é muito mais interessante que a sua e esse, talvez, seja o problema, preocupar-se demais com os outros e esquecer de si próprio, Maria Madalena estava prestes a ser apedrejada quando Jesus disse que atirasse a primeira pedra aqueles que não tinham pecado. Ninguém atirou, mas todos queriam. Pare um pouco, viva mais a sua vida e deixe os outros viverem as deles, se cada um se preocupasse menos com a vida do outro talvez o mundo fosse um lugar melhor, com mais respeito, mas liberdade, mais justiça, no entanto as pessoas preferem deliciar-se com os devaneios alheios, uma peça de teatro da vida real, um reality show pronto para audiência a todo o momento. Respeite-se mais, você vale mais que os outros.

A reunião prosseguiu, e Calvin como maravilhoso publicitário, conseguiu convencer a todos a aceitarem sua proposta, no dia seguinte, dera uma entrevista esclarecendo tudo que havia acontecido, mas nem tudo era real, Calvin mentira descaradamente para se safar de tudo, convenceu a todos que era inocente enquanto suas mãos estavam sujas de sangue. É errado? É Imoral? Sim, mas é isso que nós fazemos, mentimos, pois por mais que digamos que não ligamos para nossa má reputação, nós ligamos. E faremos de tudo para ser exemplo, para ser o melhor... mas que melhor, o melhor pra você? Não. O melhor pros outros.

1 comentários:

Mila Nunes disse...

awnn somos tão hipócritas né ?
agora não associo isso a falsidade apenas como muita gente enche a boca pra dizer, mas a sobrevivência também.. principalmente.

e " me atire uma pedra quem não é hipócrita "

Boaa mensagem amr :D

Postar um comentário